Título da Redação: A religião do escravo e de seu dono.

Proposta: A intolerância religiosa no Brasil

Redação enviada há mais de 2 anos por usuário anônimo.


O ápice da intolerância religiosa ocorreu na Europa com a criação das expressões de fé protestantes que conflitavam com os Estados católicos. Atualmente, tal prática tornou-se repetitiva no Brasil. Deve-se, portanto, analisar o papel do governo e a motivação causal no que tange o preconceito enfrentado pelos cultos africanos principalmente.
Embora não conte com a inércia estatal, o problema relacionado às diferentes expressões de fé ainda perduram. O governo criou a Secretaria do Direitos Humanos, a Lei da Discriminação e, recentemente, a campanha “Filhos do Brasil” que visam a coibir a intolerância religiosa por meio da criminalização de tal ato, por exemplo. Logo, a conjuntura política atual tende a defender a laicidade do Estado e a liberdade de expressão, direitos contidos na Constituição Cidadã. Infelizmente, o racismo das crenças sobrevive a tudo isso.
A intolerância religiosa faz-se presente, mesmo que existam politicas públicas na tentativa de minimizá-lo. No brasil colonial, a sociedade caracterizava o Senhor de engenho como possuidor de uma alma, diferentemente do escravo que não a detinha. Analogamente, esse pensamento de superioridade é encontrado hoje em dia ao analisar a religião europeia e a africana, extremamente desvalorizada e atacada por comentários pejorativos que qualificam todos os seus seguidores como “macumbeiros”, por exemplo. Por conseguinte, a população tende a se mostrar esquizofrenia, pois não aceita a livre expressão de parte de sua própria cultura. Mudar é difícil, todavia é possível através do conhecimento.
Em síntese, o poder público tenta acabar com a intolerância religiosa que continua a existir na sociedade brasileira e tem como alvo principal os cultos de origem africana. Para equacionar tal quadro, é preciso que o Governo Federal- por meio da sua concessão nos canais de televisão e nas redes sociais- incentiva o uso do “disque 100”, o qual recebe denúncias de ações que violam os direitos humanos, e informe sobre a campanha “Filhos do Brasil”. Além disso, as escolas poderiam pôr em prática a lei 10.639/03, que estipula o ensino da história e cultura africana, pois ao conhecer as diferentes crenças, as crianças tenderiam a respeitá-las. Assim, o racismo das religiões passaria a fazer parte, somente, da história e ,não, da realidade brasileira.

Receba 48 redações corrigidas por apenas R$ 18 por mês *
Clique e conheça nossos planos

* Valor equivalente por mês para o Plano Anual.

Últimos Vídeos no Youtube

Clique aqui e inscreva-se no nosso canal

Img

Como driblar os desafios da liberação do porte de arma - Tema de redação para o ENEM

Img

A questão da fome no Brasil e seus fatores motivadores - Tema de redação para o ENEM

Img

Dicas de gramática: Colocação pronominal

Img

5 Possíveis Temas de Redação para o ENEM 2018